Martinismo
I:::C:::S:::
Bem-vindo(a) ao fórum Martinismo,

Fora da torrente, que de Homens de Desejo nos transformemos em Novos Homens, para mais tarde brotarmos o Homem-Espírito!

Registe-se já nesta comunidade!

Bem-haja!
:cruzrosas:
Dezembro 2016
DomSegTerQuaQuiSexSab
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Calendário Calendário

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 64 em Dom Abr 03, 2016 2:48 pm
Últimos assuntos
» Apresentações dos novos membros
por Jefferson Oliveira Sex Out 30, 2015 5:08 am

» Rituais Teurgicos dos Elu Cohen
por Rodrigo Martins Sex Abr 03, 2015 11:58 pm

» O que significa a Máscara?
por celso Souza do Nascimento Dom Jan 04, 2015 4:18 am

» Sobre incenso e pentagrama invisível
por ZECHER Sex Nov 14, 2014 1:49 am

» Doutrina do RER
por Convidado Dom Out 19, 2014 9:46 am

» POR UMA NOVA ABORDAGEM DAS PRÁTICAS MAÇÕNICAS
por Convidado Sex Jul 11, 2014 10:07 am

» O que é ocultismo - Um ponto de vista Martinista
por Fcx Dom Jun 15, 2014 2:57 am

» Apresentação
por Convidado Seg Fev 17, 2014 11:39 am

» Ordem Martinista mais antiga em atividade no Brasil
por RenatusLuxCasta Qui Set 26, 2013 2:21 am

» Prece de Invocação ao Grande Arquiteto do Universo
por clelio pereira de souza Qua Jul 17, 2013 1:38 am

» Normas essenciais do Martinismo
por clelio pereira de souza Seg Jul 15, 2013 3:58 am

» Por que estamos na terra?
por clelio pereira de souza Seg Jul 15, 2013 3:28 am

» Prémios para maiores postadores a partir do 100º Usuário!
por Admin Dom Jun 30, 2013 11:35 am

» Ordem da R+C de Ouro
por Julio Seg Jun 17, 2013 1:56 am

» O Ser Humano Andrógeno
por Julio Qui Jun 13, 2013 5:38 am

» Extrato do livro: O Templo do Coração
por Antoniosag Sab Jun 08, 2013 7:07 pm

Ultimos Usuários On-line

A Franco-Maçonaria – Ordem Iniciática

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A Franco-Maçonaria – Ordem Iniciática

Mensagem  Antoniosag em Sex Abr 26, 2013 9:41 pm




A seguinte prancha foi apresentada por um Irmão que desejou ficar anónimo, durante uma reunião solene das Lojas de língua Russa que trabalhavam sob a jurisdição da Grande Loja de França em 1949. Reuniam as Lojas Astrée, Aurore Boréale, Hermés, Jupiter, Gamaioune e Lotus. Apesar de terem passado mais de 60 anos sobre a sua redacção, a actualidade do tema que discute e a sua importância persuadiu o Grupo de Estudos Maçónicos a fazer uma tradução e a apresentá-la à reflexão dos leitores dos dias de hoje.

Depois de terem lido o título desta Prancha no boletim das Lojas Russas, muitos Irmãos se admiraram pelo tema escolhido. Podemos assumir que todos aqueles que são recebidos entre nós sabem que a Ordem da Franco-Maçonaria é uma sociedade secreta e iniciática; pois este facto é do conhecimento até do mundo profano. Contudo, o V.’. M.’. escolheu bem ao me indicar este tema para que o desenvolvesse. Certas tendências que apareceram na Maçonaria depois da Libertação [Nazi] entre os Maçons pertencentes às Lojas Russas, bem assim como na Maçonaria francesa em geral, desde há dezenas de anos, mostram que os Irmãos conhecem menos bem o sentido primordial dos dois termos que definem a nossa Ordem: uma sociedade “secreta” e “iniciática”.

No decurso deste trabalho vejo-me obrigado a passar um pouco dos limites traçados no primeiro grau e tentarei justificar-me dizendo que vivemos numa época onde se torna muitas vezes difícil manter uma dosagem normal do ensinamento iniciático. Não me ocuparei de definir o nosso Segredo e contentar-me-ei em precisá-lo de uma vez por todas recorrendo à citação francesa seguinte:

“O Segredo da Ordem consiste no conhecimento das verdades abstractas das quais o simbolismo maçónico é a tradução sensível. Esse Segredo é inviolável, por ser incomunicável.”

Quanto ao carácter iniciático da nossa Maçonaria Escocesa, irei expô-lo, obviamente, sob uma forma muito imperfeita, referindo-me nesse domínio às autoridades genericamente reconhecidas em matéria iniciática e insistindo principalmente no aspecto metafísico da nossa doutrina.

O assunto do presente trabalho é de uma actualidade tanto maior quanto uma nova corrente se perfila entre nós. Maçons antigos e respeitáveis, que se encontram por vezes no verdadeiro topo da escada iniciática, pensam ser admissível e mesmo necessário incorporar no ensinamento maçónico ou conciliar com ele doutrinas que contradizem na realidade e de uma maneira flagrante, os princípios iniciáticos da Ordem. O adogmatismo e a tolerância maçónica servem para justificar as interpretações mais livres dos nossos principais “Landmarks”, assim como os artigos mais importantes das Constituições. Interpretando os nosso sublimes princípios com uma ousadia exagerada, pretendendo incorporar à Maçonaria, sem inconvenientes, doutrinas que têm um carácter diametralmente opostos a ela. Podemos comparar com justiça essas tendências a outras do mundo profano que se lhes assemelham muito: citemos o “Cristianismo progressista”, que acaba de ser condenado pela Igreja Católica e por uma Igreja Protestante, assim com o exemplo passado da “Igreja viva” na Rússia. Irmãos muito próximos da própria direcção da GLDF [Grande Loge de France] propuseram nas nossas revistas e em reunião de Loja, reconsiderar a totalidade da doutrina maçónica para a reformar e a tornar conforme, dizem eles, à realidade actual… Não podemos deixar de notar de passagem frases do género das seguintes: “A verdade está em constante mutação”, “A nossa ideologia deve ser repensada”, “Há lugar entre nós para todas as doutrinas, mesmo as doutrinas marxistas”, etc.

É incontestável que em França, hoje [1949], a Maçonaria Escocesa poderia beneficiar em reconsiderar algumas das suas posições de princípio; mas é necessário que isso se faça em tendência diametralmente oposta às tendências de que falo. Pois, se estas não têm na sua origem uma percepção confusa e muito insuficiente do fundamento iniciático da nossa Ordem, não as podemos explicar a não ser como um esforço consciente que visa levar a Maçonaria toda para uma via que lhe é totalmente alheia. No primeiro caso, o desvio de boa fé seria desculpável a Aprendizes. Na segunda hipótese, encontramo-nos em presença de um esforço concreto que se destina a minar as próprias fundações da nossa Ordem e a estabelecer a nível profano uma associação política e humanitária. Os católicos, eles mesmos adversários tradicionais da Maçonaria, já apontaram esse sintoma. Na segunda parte do seu livro “A Cruzada Pelas Trevas”, o Padre Berteloot precisa nomeadamente:

“Reservando o seu favor às doutrinas materialistas, a Franco-Maçonaria traiu as suas tradições e passou a seguir um falso caminho.”

Por sorte, esse racionalismo estranho à nossa Ordem, é uma excepção no seio da Maçonaria Russa. Quanto à Maçonaria Francesa, parece que hoje ela tende igualmente a rever a sua posição neste sentido. Já há muito tempo que este perigo do radicalismo, aparecendo nas Lojas francesas, provocou reacções. Deste modo, Ragon escrevia já no século passado:
“O dogma do racionalismo e do bom senso infiltrou-se na Franco-Maçonaria. No entanto, ela nunca foi nem monárquica nem imperialista, nem republicana, pois se assim fosse amanhã poderia ser socialista, comunista, anarquista e tudo o mais que passe pela cabeça fantasista dos homens. Ela está acima de todas essas variações de regime. A verdadeira iniciação é a única missão superior da Maçonaria, que não pode ser universal a não ser no domínio espiritual.”

Demo-nos conta de necessidade de reformar a Maçonaria Francesa no sentido de a fazer regressar às Tradições permanentes. Já o primeiro número da revista “Symbolisme”, que data de Outubro de 1912, Oswald Wirth escreveu o seguinte, num artigo intitulado “A Necessidade da Regeneração Iniciática”:

“A nossa instituição chegou aquela idade onde deve tomar consciência de si mesma… Faz-lhe falta agora perceber qual é o seu objectivo específico e entender por que meios ele é realizável. O passado deve dar-nos o segredo do futuro no mesmo sentido em que é nossa tarefa recuperar a Palavra perdida da verdadeira consciência iniciática.”

Sem que isso se cumprisse, Stanislas de Guaita teria razão ao escrever:

“A Franco-Maçonaria actual não passa de um simulacro sem vida, ou melhor, um ramo degenerado.”

A humanidade contemporânea e mais particularmente as gerações mais jovens exigem – a própria justiça social o impõe – que possamos devolver ao mundo essa espiritualidade e esse equilíbrio moral sem os quais a própria existência do “Eu” material do homem se encontra parcialmente comprometida. Em que consiste a missão iniciática da Ordem dos Franco-Maçons, que a diferencia das associações profanas? Para responder a essa questão, convém examinar a natureza intrínseca da Iniciação.

http://ihshi.com/wp/?p=1298

_________________
Saudações perante as Luminárias Sagradas e perante os símbolos que nos são caros,

António Pedro S A G


Antoniosag
HOMEM ESPIRITO
HOMEM ESPIRITO

Prata

S::: I:::
Masculino
Mensagens : 45
Apreciações : 191
Reputação : 38
Data de inscrição : 25/04/2013
Idade : 29
Localização : Sintra

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Franco-Maçonaria – Ordem Iniciática

Mensagem  Avner em Sab Maio 11, 2013 11:31 am

Com certeza este texto é mais do que atual.

Vivenciamos hoje na Maçonaria "Francesa" (me refiro aos do Rito "Moderno") um estado de negação da Divindade quando esta deveria ser de cunho pessoal de cada Irmão. A influência Positivista (Atéia) tomou conta de um Rito no Brasil, ao ponto de seus "Altos Graus" não passarem de reflexões morais e distribuição de medalhas.
Tomemos por exemplo a 5ª Ordem, que no Brasil foi dividida em dois graus para diferenciar os dirigentes estaduais dos nacionais...
Quem realizar um pouco de pesquisa verá que a 5ª Ordem praticada na França é um aglomerado de conhecimentos chamados de "Arca da Vª Ordem" e estuda inclusive Cabalá.

Entendo o espírito francês de aprimorar o Homem no simbolismo e lhe revelar o sentido das coisas conforme for avançando em suas Ordens (prestem atenção que não são graus). Este ponto de vista é válido hoje em dia pelo excesso de Irmãos que entram por questão econômica e social e não por buscarem a Verdade.

A Maçonaria atual, principalmente a brasileira precisa fazer uma reflexão urgente, pois aqui estamos mais preocupados em Regularidade com a Inglaterra do que com questões nacionais, afinal alguém se lembra quando foi a ultima intervenção social da maçonaria brasileira?

Antes de me atirarem pedras, gostaria de dizer que sou do GOB e sei como a coisa é por dentro, porém está muito difícil mudar o sistema, ele já está enferrujado demais.

Avner
HOMEM DE DESEJO
HOMEM DE DESEJO

S::: I:::
Masculino
Mensagens : 5
Apreciações : 24
Reputação : 8
Data de inscrição : 11/05/2013
Localização : Porto Alegre - Brasil

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum